16/10/09

As Polaroid de volta em 2010


Os nostálgicos da fotografia instantânea têm um motivo para estar contentes: em plena era digital, as famosas máquinas Polaroid, capazes de produzir uma fotografia poucos instantes depois de esta ser tirada, estão prestes a ser reintroduzidas no mercado.

O consórcio Summit Global Group of Companies, que reúne empresas do sector e que tem uma licença para explorar a marca da falida Polaroid até 2014, anunciou esta semana o regresso, já em meados do próximo ano, das máquinas de revelação instantânea. A estratégia passa tanto por apelar aos nostálgicos, como por cativar jovens utilizadores.

A decisão do consórcio foi influenciada por um grupo chamado O Projecto Impossível, fundado por um empresário austríaco chamado Florian Kaps (que tem uma loja on-line de produtos Polaroid), a que se juntaram alguns cientistas holandeses – todos amantes da fotografia analógica. O grupo foi formado há menos de um ano, depois de a Polaroid ter apresentado falência (pela segunda vez na história da empresa) e ter decidido deixar de fabricar os cartuchos de fotografias usados nas máquinas.

Convencidos de que a massificação da fotografia digital cria um nicho de mercado capaz de ser alimentado pelos amantes da fotografia analógica, o grupo de Karp angariou fundos, criou uma empresa e negociou com a própria Polaroid a exploração de uma fábrica de cartuchos na Holanda. Agora, O Projecto Impossível vai fabricar os cartuchos que vão equipar as novas máquinas de fotografia instantânea.

Os anos recentes da história da Polaroid, fundada nos EUA em 1937, foram conturbados. A empresa apresentou falência em 2001, numa situação que muitos acreditam ter sido motivada por má gestão e falta de capacidade para prever os efeitos no mercado das máquinas digitais, não apenas baratas, mas também sem necessidade de serem carregadas com rolos ou cartuchos de fotos.

A empresa reestruturou-se, mas acabou por voltar a declarar falência em finais de 2008. Em Junho passado, o Summit Global Group of Companies comprou os direitos de exploração da marca, num negócio de cinco anos, ao longo do qual o consórcio espera conseguir 8700 milhões de euros de receitas. In, Público.

Imagem: Polaroid

~ 3 comentários: ~

rui pintas says:
at: 17 outubro, 2009 15:06 disse...

ja tinha lido sobre isto, e achei uma ideia muito boa, resta saber a que preço chegara ca fora...

Margaridaa says:
at: 18 outubro, 2009 09:03 disse...

A ideia é interessante, só tem um contra : os filmes são (ou eram) muito caros. De resto, o facto da imagem saír logo no papel tem um certo encanto.

ss says:
at: 19 outubro, 2009 12:29 disse...

Como é referido nos comentários anteriores, é realmente caro, mas que eu estou desejosa de voltar a usar a minha polaroid, estou!!!

:)

~ Enviar um comentário ~

+

Disto e Daquilo + popular do mês

Estes e Aqueles

Destes e Daqueles

Caixa de Arquivo

Siga por e-mail

Estes Que Gostam Disto

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.